Governo de Rondônia
Saturday, 25 de September de 2021

TRANSPOSIÇÃO

Servidores se emocionam em homenagem a integrantes da Comissão dos ex-Territórios

16 de setembro de 2015 | Governo do Estado de Rondônia

Servidores participaram do evento realizado pelo governo

Servidores participaram do evento realizado pelo governo

A servidora estadual Elide Feitosa Brasil do Carmo, de 64 anos, lotada na Corregedoria-Geral do Estado era uma das mais emocionadas quarta-feira (16) no auditório da Seccional Rondônia da OAB, onde um grupo de servidores transpostos para os quadros da União posou para a foto histórica da transposição.

Junto com outros servidores, representantes das bancadas federal e estadual, sindicatos e integrantes da Comissão Especial dos Ex-Territórios de Rondônia, do Amapá e de Roraima, presidente Neleide Ábila e a vice-presidente Flávia do Espírito Santo, todos foram homenageados pelo Governo do Estado.

A emoção aumentou, após a presidente da Ceext, Neleide Ábila, assegurar que não há mais clima para descrédito, pois o balanço é positivo e que “os membros da comissão sabem que por trás de cada processo tem uma história de vida, tem anseio”. Somente de Rondônia, há em tramitação em Brasília cerca de 30 mil processos. Junto com os requerimentos de Roraima e Amapá totalizam 50 mil processos.

Com os olhos lacrimejantes e fala trêmula, Elide do Carmo afirmou que não dava nem para avaliar direito a emoção daquele momento. Mas ressaltou a esperança e a fé na transformação do sonho em realidade, depois de tanta luta, e da morte de alguns. “É muito gratificante ter a certeza de que Deus não nos desamparou e agora podemos sentir o sabor de mel da vitória”.

Elide Feitoza

Elide Feitosa, da CGE, foi transposta para a União

A mesma certeza tomou conta de sindicalistas como o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (Sindsaúde), Caio Marin, e o prefeito de Porto Velho, Mauro Nazif. Marin afirmou que no processo de transposição não existe mais o “plano” talvez e agora tudo é direito líquido e certo. Nazif garantiu que vários servidores municipais já começaram a ser transpostos e com base no conhecimento que adquiriu sobre a bandeira de luta, iniciada quando o governo estadual demitiu 10 mil servidores, ele pretende escrever o livro com o titulo “Da Demissão à Transposição”.

O professor Raimundo Nonato Araújo, de 65 anos, ex-seminarista e filho de pioneiros que trabalharam para grandes seringalistas, como os Catanhede, não pode ainda comemorar, pois seu nome ainda não foi publicado em nenhuma das 23 atas com processos deferidos e indeferidos já publicadas pela Ceext. Mas promete não desanimar. “Se eu fosse mais fraco, já teria desistido porque afinal são mais de 10 anos de espera”, disse.

Araújo está com o processo de transposição sustado junto ao Instituo de Previdência dos servidores do Estado de Rondônia (Iperon) e aguarda apenas tirar a dúvida, se terá assegurado seu direito se aceitar a transposição para o quadro da União.

Raimundo Nonato ainda aguarda a transposição

Raimundo Nonato ainda aguarda a transposição

Ele integra a lista de cerca de 9 mil servidores admitidos até 15 de março de 1987, que aguarda pela transposição para os quadros da União, após a edição da lei 13.121, que regulamentou a Medida Provisória 483. De acordo com o procurador do Estado Luciano Alves, quando o desânimo começava a tomar conta de todos veio a “boa notícia” da regulamentação da lei e a criação da Ceext, que em apenas cinco meses conseguiu efetivar a transposição por via administrativa de mais de 150 servidores.

As advogadas da União, representantes da bancada parlamentar federal e estadual de Rondônia, sindicalistas, procuradores e servidores que integraram as caravanas que lutaram em Brasília pela transposição, desde as primeiras campanhas pela aprovação do Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 60/2009, foram aplaudidos pelos mais de 260 participantes do ato que lotaram o auditório.

O presidente do Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Amapá (Sinsepol-AP), Elias Rodrigues, de 48 anos, disse que se lá a comissão estadual tivesse a mesma estrutura e recebesse o mesmo apoio que o governador de Rondônia dá à Comissão de Suporte à Transposição na Segep, o ritmo da transposição seria mais intenso. ‘Apenas um servidor municipal foi transposto na semana passada em Macapá. Lá está devagar”, disse.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Abdoral Cardoso
Fotos: Daiane Mendonça
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Rondônia, Servidores


Compartilhe