Governo de Rondônia
22/07/2024

SALA DE SITUAÇÃO

Fumaça monitorada pela Sedam muda de direção e não atinge mais Porto Velho

03 de julho de 2023 | Governo do Estado de Rondônia

Monitoramento é realizado na Sala de Situação

Com o intuito de orientar a população sobre a possibilidade de uma densa onda de fumaça vinda do estado do Mato Grosso e de parte da Bolívia, que ameaçava atingir Porto Velho, no final de semana, o Governo de Rondônia, por meio da  Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental – Sedam, passou a monitorar a situação desde quinta-feira (29). O monitoramento foi realizado pela Coordenadoria de Geociências – Cogeo, através da Sala de Situação, onde é acessado o sistema de monitoramento capaz de detectar focos de calor e supervisionar a mudança de direção das correntes de ar,  essas por sua vez, encaminharam  a fumaça para o Sul do país. 

O coordenador da Cogeo, Guilherme Vilela destacou que, “conforme monitoramento feito pela Sala de Situação da Sedam, foi possível perceber que ocorreu uma mudança nas correntes de ar que direcionaram a onda de CO2 para o Sul. Essa alteração dissipou a onda de fumaça que chegaria à Capital do Estado, com níveis de 800 partes por  bilhão – PPBV, chegando com níveis abaixo do esperado”.

Para o  governador Marcos Rocha, as ações realizadas pela Cogeo estão ajudando o estado de Rondônia a cumprir o seu papel no monitoramento dos focos de calor e na orientação da população. “Os sistemas de monitoramento utilizados para estes levantamentos são ferramentas que estão ajudando a equipe a desenvolver um bom trabalho, mas precisamos continuar realizando campanhas educativas para orientar a população no combate às queimadas e suas consequências”, concluiu.

As nuvens de CO2 emitidas por focos de incêndio em Rondônia, estados vizinhos e na Bolívia são monitoradas na Sala de Situação por uma ferramenta que acompanha as correntes de ar. A partir dela, foi possível observar o fenômeno que se aproximava de Porto Velho. A ideia era detectar a nuvem de gás carbônico e confirmar a intensidade com que chegaria no Estado, caso não se dissipasse antes. As fumaças nesse período são consideradas anormais, já que é comum que os  meses de agosto e setembro apresentam tais características, dessa forma,  a situação mereceu atenção das equipes da Cogeo.


Leia Mais
Todas as Notícias

Fonte
Texto: Adenilson Florentino
Fotos: Thatyellen Rufino
Secom - Governo de Rondônia

Categorias
Ecologia, Governo, Governo Fez e Faz, Meio Ambiente, Rondônia, Serviço, Sociedade


Compartilhe


Pular para o conteúdo